Arquivo de dezembro, 2010

Olha só… parou a palhaçada de ficar achando que o zeramento de um cronômetro é capaz de transformar a vida, o mundo, as pessoas. No máximo, a ‘virada’ é capaz de mudar as intenções na cabeça das pessoas… Realizá-las é outra história.

Mais uma vez, não quero bancar aqui o pessimista [embora seja marca registrada já]. Mas a questão é que as pessoas se iludem demais, e não quero fazer parte desse bolo.

A verdade, como se pode comprovar a cada ano, é que um novo ano não passa de um novo exercício fiscal, um novo lapso temporal, um ano a menos no seu tempo de vida.

O Jornal da Globo [marca registrada] acaba de declarar: “Chegou a vez dos pobres e dos emergentes […]”. Oh, come on!!! Qual é exatamente o produto que querem te fazer descer garganta a baixo, dessa vez???? Sinceramente, a sua garganta ainda deveria estar dolorida por ter engolido o tal ‘papai’ noel… E como se não bastasse, agora vem essa onda de ‘otimismo com data de validade’.

Eu acho salutar fazer planos para um período [um ano, um mês, um dia, ou mesmo uma tarde]. Não há nada de mau em planejar a vida, aliás, acho que ela é até mais fácil quando se planeja. O que não dá é fazer aquela maldita promessa de fim de ano que nunca se verifica no ano seguinte, como ‘perder 10 quilos’, por exemplo.

Talvez o problema, mais uma vez, esteja comigo mesmo. Mas é que não vejo diferença entre a zero hora do dia 1.º de janeiro ou qualquer hora de qualquer outro dia do ano. Se se comemorasse o ano novo entre às 23h59 do dia 23 de outubro [meu niver, rs] e a zero hora do dia seguinte, não daria na mesma? Acompanhe o raciocínio: 363 dias separam o dia 1.º de janeiro do dia 31 de dezembro, da mesma forma que separam o dia 23/10 do dia 22/10. Então, qual a diferença??

Qual a saída então?

Não faça promessas e nem faça planos mirabolantes só porque é “Ano Novo”.

O ano, assim como o mês e a semana, é novo a cada novo dia.

Tem uma frase cujo autor eu não me lembro agora que diz que ‘o maior espetáculo da terra acontece todos os dias’, referindo-se ao nascer [ou pôr-] do sol. E é verdade! Sinta que a cada dia é feita uma nova aliança, pois a cada nascer do sol começa um novo ano. E a hora de fazer planos, de cumprir promessas, se renova com o novo dia.

Então, ‘bora parar de hipocrisia!

Aqui na minha casa, como de costume, não há nada preparado para este dia, que de especial não tem nada que qualquer um dos outros 364 não tiveram.

Anúncios

Ahhhhh que saco!

Um monte de gente que você nunca viu na vida, um outro tanto que você já viu dezenas de vezes e já não aguenta mais ver, e uma caralhada de gente chata que você tem o desprazer de ver de vez em quando e elas sempre te tratam mal, ou com indiferença, ou então nem sequer olham na sua cara… Então, esse monte de gente espera 364(5) dias por ano para chegar no ‘cabalístico’ dia 25/12 para abrir aquele sorrisão, desejar um feliz natal [letra minúscula mesmo, e foda-se], e te abraçar… ECA!

Se eu odeio o natal? Claro que não! O que eu odeio é hipocrisia, é gente que não presta brincando de ‘teatrinho’, fingindo ser gente boa… E eu ainda tenho que engolir isso????

Bom, em primeiro lugar, quero dizer que respeito integralmente a opção religiosa de todas as pessoas. Repito, como disse em outros posts, que sou cristão, e me orgulho disso. Mas, convenhamos… Enfeitar uma arvorezinha com uns penduricalhos e adorar a imagem de um velho barrigudo [supostamente pedófilo] não é minha praia não.

Veja bem… Não existe evidência Bíblica, muito menos histórica, da data correta do nascimento de Jesus. E ainda que houvesse uma, seria uma referência baseada no calendário lunar [o que era utilizado à época], o que tornaria impossível relacionar a data em um e em outro calendário caindo todo ano no mesmo dia. No máximo, o “Natal” seria uma data móvel, como é o caso do carnaval e da páscoa. Nosso calendário, o Gregoriano, é baseado no sol.

Adicione a isto o fato de o ‘natal’ ser uma oficialização de várias festividades pagãs em honra ao ‘deus sol’. A ‘Santa’ [com todo o respeito] Madre Igreja Católica viu que a melhor forma de expandir seu domínio psicológico entre o povo era, ao invés de dominá-lo, conquistá-lo. E de que forma poderia fazer isso? Simples! A ideia não era dizer a eles que os cristãos eram contrários às festividades de adoração ao sol, de adoração ao início do verão, mas, entretanto, contudo, dizer a eles que o que eles estavam adorando era, na verdade [da Igreja], o nascimento do sol do cristianismo, que é Jesus [assim estava escrito: “Eu sou a luz do mundo…”, é mais ou menos por aí].

Então, vamos lá:

  • Se o natal na verdade não é uma data de comemoração do nascimento de Jesus Cristo, mas de adoração ao sol.
  • Se no natal as pessoas resolvem libertar toda aquela hipocrisia angustiante que fermenta no peito delas o ano todo.
  • Se o natal hoje não serve nem mesmo para as pessoas se lembrarem de Cristo, mas tão-somente para consumir cada vez mais, para encher  a pança, tomar todo o álcool que conseguirem e depois ir dormir [e acordar no dia seguinte sem nem sequer se lembrar do dia anterior].

Concluo: e eu tenho lá algum motivo para comemorar esse treco???

Se a ideia é se lembrar de Cristo, deveríamos fazer isso todos os dias. Devemos nos lembrar do sacrifício que Ele fez por todos nós, de quanto sangue derramou, de quanta dor sentiu, do peso que carregou, da tristeza que sentiu por ter sido humilhado, maltratado e morto.

Por isso, essa é sim uma data para ficar alegre, claro. Devemos nos alegrar porque temos um Deus tão bondoso e tão misericordioso que foi capaz de enviar um dos seus Anjos à Terra, mesmo sabendo o que aconteceria a ele aqui.

Bom, agora que já disse o que penso sobre o “Natal”, não é difícil entender o porquê da foto deste post.

Eu vejo as pessoas se vestirem de ‘papai noel’, prepararem verdadeiros banquetes para a ‘ceia’, abraçarem-se, darem presentes, enfim… Vejo tudo isso e rio. Não que eu me ache melhor que eles. Mas acho que minha situação é quase como a de um budista/judeu/muçulmano… Não vejo significado nessas coisas: para mim, é tudo alegoria, tudo teatro.

Então, já que é para escrachar, que escrachemos!

E Feliz Natalis Invistis Solis para você também!!

Mind Blowing

Publicado: 16/12/2010 em Uncategorized

Então… Imagine a seguinte situação:

Um pastor de determinada igreja resolve usar o nome de Deus para ganhar dinheiro e promover sua própria imagem.

A atitude desse pastor é, sem sombra de dúvida, reprovável aos olhos de Deus, correto?

Ok.

Porém, no exercício da sua autopromoção com a finalidade de incremento de patrimônio, esse mesmo pastor consegue lavar a mente de alguns criminosos pobres, sem qualquer dinheiro para contribuir com o objetivo do pastor.

Agora é que sua mente vai explodir.

A atitude do pastor é ou não reprovável, tendo em vista ter conseguido “arrebanhar” e “salvar” pessoas que realmente acreditam estar fazendo a vontade de Deus, embora não tenham qualquer dinheiro?

Seria ele certo e errado ao mesmo tempo? Ou o fato de ele ter recuperado alguns criminosos pouco importa no dia do Juízo Final?

Ando com essa dúvida agora… Acho que preciso ler um ‘cadin’ mais.

Frase do dia #2

Publicado: 12/12/2010 em Uncategorized

“Se você está lendo isto após a minha morte, então minha teoria de o mundo só existir na minha mente estava errada!”

P.s.: não, não foi Walter Bishop quem disse essa.

Frase do dia…

Publicado: 12/12/2010 em Uncategorized

Eu estava conversando com meu amigo Thiago, lá do RJ… ele me contando que perdeu 4Kg desde que foi para o deserto do Atacama pela empresa na qual ele trabalha, quando escrevi essa pérola vinda do cerne do meu ser:

“…até me matriculei duas vezes em academia… mas quando olho aquele monte de gente bombada malhando, com muito músculo e pouco cérebro, saio correndo da academia morto de medo de emburrecer”.